Diminui a disparidade entre regiões brasileiras

Deixar um comentário

 

Uma boa notícia. Diminuiu a disparidade entre as regiões Norte e Nordeste em comparação às regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste entre 2000 e 2010. É o que revela uma nova publicação do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançada hoje no dia 31 de março.

As regiões Norte e Nordeste tiveram o maior ritmo de crescimento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do país entre 2000 e 2010, reduzindo a disparidade com as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, no período. Os dados são dos Censos Demográficos do IBGE de 1991, 2000 e 2010 e estão disponíveis para consulta no site do Atlas do Desenvolvimento Humano.

A publicação “Desenvolvimento Humano nas Macrorregiões Brasileiras” traz o cálculo do IDHM das regiões do país, comprovando que todas as macrorregiões brasileiras estão situadas nas faixas de médio ou alto desenvolvimento humano, registrando uma evolução considerável em relação a 1991, quando todas estavam nas faixas de baixo ou muito baixo desenvolvimento humano.

Os dados mais recentes evidenciam que a região Sudeste tem o maior IDHM do país, com valor de 0,766.  Em segundo lugar está a região Centro-Oeste, com IDHM de 0,757, praticamente empatada com a região Sul, terceira colocada, com IDHM de 0,754. As regiões Norte e Nordeste ainda têm os menores IDHM do país, com 0,667 e 0,663, respectivamente.

Os avanços em termos de desenvolvimento humano não foram os mesmos para todas as regiões, no entanto. Os dados mostram que entre 1991 e 2000 cresceram em ritmo mais acelerado as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, enquanto as regiões Norte e Nordeste, as de menor IDHM do país, foram as que tiveram crescimento mais acelerado entre 2000 e 2010.

Essa diferença de ritmo de crescimento fez com que a desigualdade entre as regiões, considerando somente o IDHM, fosse mantida entre 1991 e 2000 e tivesse uma redução acentuada na década seguinte. O hiato de desenvolvimento entre as regiões Sudeste e Nordeste, ou seja, a diferença entre a macrorregião brasileira com IDHM mais alto e a com IDHM mais baixo, registrou um leve aumento entre 1991 e 2000, passando de 0,156 para 0,160. Já entre 2000 e 2010, a diferença entre as duas regiões caiu para 0,103 (veja gráfico abaixo).

graficoComunicacao

 

tabela_regioes

A análise das macrorregiões, no entanto, deve ser realizada com cautela, pois as desigualdades internas são, muitas vezes, mascaradas pelas médias, dando a falsa impressão de que os municípios, estados e as próprias regiões são homogêneos.

A nova publicação do PNUD foi feita em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro.

— Cadastre seu e-mail e receba a newsletter “Desenvolvimento Humano em pauta” com as últimas novidades do PNUD no Brasil sobre o tema.

Fonte: http://pnud.org.br/Noticia.aspx?id=4284

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *