Brasil é o principal consumidor de agrotóxicos em escala global

Comente!

Desde 2008, o Brasil é o país que mais consome agrotóxicos, com uma média duas vezes superior ao resto do mundo. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) indica que essa utilização aumentou 700% nos últimos 40 anos. Contribuem para a “liderança” fatores como o papel da agropecuária na economia brasileira, a expansão da fronteira agrícola e o plantio de sementes transgênicas.

Dentre os alimentos que mais contêm agrotóxicos, estão aqueles da chamada hortifruticultura, que chegam à nossa mesa, casos do arroz, feijão, alface, couve, tomate e salsinha. Mas a preocupação vai além – a especialista em Saúde Coletiva e professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Jandira Maciel, aponta que a pulverização aérea, usada principalmente nos grandes cultivos, pode trazer consequências negativas ao meio ambiente e às populações. “Essa pulverização aérea acarreta uma grande contaminação ambiental, envolvendo os solos e as águas, além das populações que habitam aquela região”, afirma.

A relação com os agrotóxicos, que podem ser absorvidos pelo organismo por via oral, respiração ou contato com a pele, pode causar efeitos agudos e crônicos. Os primeiros se caracterizam por sintomas que costumam ser de menor gravidade, como dores de cabeça, náuseas, fraqueza muscular e indisposição. Esses sintomas são mais facilmente associados ao uso dos produtos, ao contrário dos efeitos crônicos – doenças que surgem a longo prazo, como câncer, depressão e má formação congênita.

Para a professora, isso ocorre, dentre outros fatores, porque o médico não tem o hábito de perguntar a profissão da pessoa que atende. “Ao não perguntar qual é a profissão do paciente, o médico não desenvolve o raciocínio clínico epidemiológico ocupacional. Ele não fará essa ligação de determinação entre esse trabalho e sua exposição e os problemas de saúde que estão aparecendo”, esclarece.

Modelo agroecológico

Se por um lado existem aqueles que defendem a utilização dos agrotóxicos por aumentarem a produtividade agrícola nacional, contribuindo, por exemplo, para a diminuição do preço da cesta básica, por outro há um movimento que busca a implantação de um modelo agroecológico, com a produção de alimentos orgânicos.

E se o Brasil é líder no uso de agrotóxicos, ele também é o quinto maior produtor agroecológico do mundo, iniciativa esta defendida por Jandira Maciel: “Nossa luta é pela mudança do modelo de desenvolvimento agrícola, no sentido de sairmos de um modelo agrotóxico dependente para um agroecológico. Há experiências positivas sobre isso, mas precisamos de políticas públicas de incentivo”.

Um exemplo de como a produção orgânica vem ganhando espaço é citado pelo também professor da Faculdade de Medicina, Tarcísio Pinheiro. “O Governo baixou uma normatização na qual os produtos a serem adquiridos e distribuídos pelas escolas [públicas] são de produção de agricultura familiar e sem o uso de agrotóxicos”, diz.

Nota:
Notícia publicada no site da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *