Desigualdade: um problema possível de resolver?

[ 4 ] Comments

A desigualdade é um problema possível de resolver para 78% daqueles que responderam a enquete no site da RENAS. Isso mostra que a esperança ainda não se tornou um produto escasso entre quem acompanha a RENAS. Pois bem, para estes, e tantos outros, queremos informar como queremos enfrentar o problema da desigualdade nos próximos três anos.

Desde 2014, a RENAS tem pensando e planejado ações com foco na questão. Sabemos que o trabalho de nossos parceiros é usado por Deus para buscar mais equidade, mas queremos agir mais intencionalmente, queremos buscar caminhos e possibilidades para incidir nesse contexto. Nossa conversa se transformou em um programa intitulado “Organizações e igrejas em rede para a redução das desigualdades”. A nossa parceira Tearfund acreditou na ideia e decidiu apoiar o programa.

O programa dará visibilidade e promoverá ações de enfrentamento à desigualdade no Brasil. Para isso, contamos com nossas redes, organizações, igrejas evangélicas e outros movimentos a fim de ajudarmos a alterar a posição do Brasil como um dos países mais desiguais do mundo. As ações terão foco nas regiões Norte e Nordeste, mas se estenderão a todas as regiões onde a RENAS (organizações e redes filiadas) atua, beneficiando comunidades e pessoas vulneráveis.

Atentos ao fato de que a desigualdade está regionalmente distribuída e que dos dez estados mais pobres do país, nove são do Nordeste e um do Norte, adotamos esta causa como referência para o trabalho da RENAS e das organizações que a compõem, no sentido de contribuir na busca da equidade e justiça social.

O tema da redução das desigualdades nos une nesta nova proposta, para a qual dedicaremos nossa atenção e esforços nos próximos anos. Ficaremos felizes, se, ao final do programa, tivermos alcançado este resultado: cada organização e rede ligadas à RENAS perguntando-se, antes e durante a execução de seus programas sociais e de seu envolvimento em políticas públicas: O que fazemos contribui, de fato, para a redução das desigualdades no local onde estamos? Conseguimos reduzir as distâncias entre os desiguais de nossa comunidade?

O programa já começou! Queremos apresentar a seguir algumas ações que já realizamos ou que estão em curso, e ainda o que planejamos. Leia e veja como sua organização, igreja ou rede pode participar.

Escuta
O que as redes locais têm a falar sobre a desigualdade nas regiões onde atuam? Para que o programa seja realista, precisamos ouvi-las. Por isso, iniciamos encontros de “escuta” das redes, como oportunidade de reflexão sobre a realidade local e as possibilidades de atuação sobre as situações de desigualdade. Esta etapa é fundamental para o desdobramento de ações relacionadas à capacitação e envolvimento das redes locais. No próximo Encontro Nacional da RENAS, que acontecerá de 24 a 26 de setembro, o apresentaremos os resultados deste processo de “escuta”.

Página exclusiva sobre desigualdade
Criamos uma página exclusiva no site da RENAS só com conteúdo sobre o tema (acesse aqui). Nossa ideia é reunir recursos relevantes para a igreja sobre o desafio de desigualdade em nosso país: artigos, estudos bíblicos, notícias, estatísticas, etc. Você já pode encontrar material publicado lá, como o artigo Sobre Igualdade: perspectivas bíblico-teológicas, do Dr. Vinoth Ramachandra, o estudo bíblico Bases bíblicas da Equidade, do Dr. Jorge Henrique Barro, e o resultado de pesquisa que mostra que a desigualdade entre ricos e pobres atingiu maior nível em 30 anos. Acompanhe também as novidades em nosso boletim Atalhos.

Logotipo
Para preservar a caminhada que iniciamos, decidimos que a identidade visual do programa será a mesma que utilizamos no Encontro Nacional da RENAS em 2014. O encontro teve exatamente este slogan: A Justiça do Reino de Deus – Igreja em Rede pela Redução das Desigualdades Sociais.

Parcerias
Uma parceria com o projeto Paralelo 10, da Editora Ultimato, possibilitará o envio de bíblias e um relevante material de estudo e reflexão para as redes do Norte e Nordeste, além de encontros presenciais.

Também queremos formalizar o apoio de nossos parceiros técnicos – Faculdade Teológica Sul-Americana, Rede FALE, CELC, Rede Mãos Dadas, dentre outros – para que eles nos ajudem a preparar materiais de qualidade e contextualizados, a partir das necessidades trazidas pelas “escutas”.

Capacitação de líderes
Organizações e redes filiadas à RENAS estão sendo despertadas para capacitarem líderes e implementarem a metodologia  UMOJA – comunidades transformadas.  Já foram realizadas oficinas em Marabá (PA), com apoio da REMAR (Rede Evangélica de Marabá), em Manaus (AM),  com apoio  da RENAS Amazonas, em Parintins (AM), por meio da parceira Asas de Socorro, na Bahia  e na Paraíba, com a parceira FEPAS.  Assim, mais pessoas são capacitadas para liderarem grupos que incluam o tema da desigualdade em suas ações.

Em parceria com a Aliança Evangélica, realizamos em junho uma capacitação em incidência política, no Distrito Federal. No próximo Encontro Nacional RENAS, a capacitação em incidência política será feita por meio da oficina do MJPOP e do Fórum do Coletivo Ame a Verdade.

Encontros RENAS
Para 2016, planejamos a realização de três encontros regionais. O 11º Encontro Nacional acontecerá, portanto, somente em 2017.

Para que a desigualdade seja “um problema possível de resolver”, como desejamos, precisamos de uma rede constituída por pessoas sensíveis à causa do pobre e dispostas a seguir os passos de Jesus.

Esperamos que o desejo de participar esteja “queimando em seu coração”. Informe-se, envolva-se com sua organização, igreja ou rede local e participe das ações que contribuirão para um Brasil menos desigual.

Deus seja louvado e que Ele conduza com sabedoria e saúde a coordenação executiva desse programa: Dorothea, Klênia, Lissânder, Soraya e Tânia.

Soraya Dias
Pela coordenação executiva/Programa Desigualdade

A Tearfund também apoia este projeto:

logo_tearfund

 

 

 

4 respostas a Desigualdade: um problema possível de resolver?

  1. […] ____ MAIS Desigualdade: um problema possível de resolver? […]

  2. Ricardo disse:

    Esse texto me ajudou muito, obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *