Um grito de criança e o início de um projeto de vida

Comente!

Um grito de criança. Foi o que bastou para que a advogada Leolina Cunha, 51 anos, desse inicio a um projeto de vida que a absorve 24 horas por dia e ocupa seus pensamentos e suas ações há mais de 18 anos.

“Na época eu estava estudando para um concurso do Ministério Público, pois sou advogada, quando uma noite, sozinha, em meu apartamento, de repente comecei a escutar os gritos de uma criança. Ela chorava desesperadamente. Eram gritos terríveis que se assemelhavam mais a urros e a sensação que transmitiam era de que aquela criança estava muito desesperada e sendo submetida a um sofrimento intenso.

Sobressaltada e assustada com aqueles gritos corri para a janela e fiquei tentando adivinhar de onde vinham. Entretanto não consegui discernir de onde aquele choro tão intenso se originava e aflita liguei para o SOS criança a fim de pedir ajuda. A recepcionista de plantão ouviu a história e me pediu o endereço da “vítima”. Eu falei que não sabia o endereço exatamente e ela me disse que sem a localização da rua e do nº da residência da criança nada podia ser feito. Frustrada, esperei Paulo, meu marido, chegar e lhe contei tudo que tinha acontecido.

No outro dia, bem cedo, eu e Paulo fomos até o porteiro do nosso prédio indagar se ele tinha escutado os gritos na noite anterior. O rapaz nos respondeu que não tinha visto nada. Não me dando por vencida, convenci o Paulo a ir comigo de casa em casa por todo quarteirão que ficava perto do prédio onde morávamos, perguntando se alguém tinha visto ou escutado alguma coisa. Ninguém tinha visto nada. Ninguém tinha notícia do fato. Decepcionada e preocupada com a criança retornei para casa.

Entretanto para minha surpresa e angústia os gritos iniciaram novamente à noite e se repetiram por três noites seguidas. Na quarta noite, já sem forças, me deitei no chão da sala do meu apartamento e ali sozinha chorei muito e orei a Deus:

“Pai, eu já não aguento mais ouvir o choro dessa criança. Eu não sei onde ela está, nem sei como ajudá-la, mas tu Senhor sabes todas as coisas, por isso eu te peço que tu intervenhas e faça alguma coisa. Levanta alguém que esteja perto dessa criança para protegê-la e tirar a mesma desse sofrimento.”

Foi nesse momento, quando eu estava fazendo esta oração, que uma paz enorme encheu meu coração e os gritos da criança cessaram e, eu ouvi uma voz dentro de mim, que eu sabia ser Deus falando comigo, dizendo:

“Filha, aquieta teu coração, pois não tem nenhuma criança chorando perto daqui. O choro que eu permiti que você escutasse é o choro que eu escuto do meu trono de gloria cada vez que uma criança é espancada, violentada ou morta vítima de maus tratos. Você está certa quando diz que eu posso levantar alguém para ajudar essas crianças e a pessoa que eu quero usar para fazer isso é você. Eu vou te usar para interferir na história de muitas crianças que sofrem violência dentro de seus próprios lares.”

Foi a partir desse momento, de profunda comunhão com Deus, que em 1999, nasceu o CECOVI – Centro de Combate à Violência Infantil, uma organização não governamental que tem por missão o enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes.

Conheça o CECOVI,uma extensão da ACRIDAS, organização filiada RENAS. Acesse http://www.acridas.org/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *