Projeto Grão de Trigo

[ 2 ] Comments

A REMAR – Rede Evangélica de Marabá, filiada RENAS, tem desenvolvido o Projeto Grão de Trigo em igrejas da região, através de capacitação para sinalização do Reino em comunidades. Acompanhe o relato da estrutura do Projeto, escrita por Olavo Dias da Silva Filho, pastor e facilitador REMAR.

Baseado em João 12.24: “Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto”.

A REMAR – Rede Evangélica de Marabá tem se empenhado nos últimos anos a prestar serviços de capacitação às igrejas para projetos sociais, ampliando a possibilidade de novos parceiros.

Tendo isto em vista, e inspirados por outras organizações que desenvolvem ações semelhantes, algumas chamadas Projetos Semente, a REMAR formatou um treinamento que dura um final de semana, num total de oito horas de ministração além da prática, a ser oferecido às igrejas que queiram vivenciar uma experiência de contato com a comunidade local.

Percebemos que boa parte das igrejas desconhece a realidade de fato. Acostumadas a simplesmente olharem o cenário perdem a oportunidade de serem mais efetivas em sua missão de sinalizar o Reino de Deus. De outro modo, habituadas à evangelização que aborda as pessoas oferecendo o plano de salvação, não estão preparadas para escutar as pessoas em suas histórias e conflitos.

O Projeto Grão de Trigo oferece este momento no qual a igreja pode sair de suas paredes e “adentrar” no mundo que a cerca, disposta mais a ouvir e perceber do que falar e simplesmente olhar. Geralmente a expressão mais usada é “um choque de realidade”.

A capacitação começa com uma exposição sobre cosmovisão bíblica e segue com duas práticas junto à comunidade local: uma escuta para um breve diagnóstico e a execução de uma ação propriamente dita.

As características do Projeto Grão de Trigo são as mesmas das outras ações conhecidas como Projeto Semente (desenvolvido pelo CADI, pela Harvest e pelo Ministério Discipulando Nações, por exemplo), as quais, em resumo, são:

  • Banhado (coberto) por oração;
  • Reflete e Proclama o interesse de Deus;
  • Deus é glorificado;
  • Supre necessidades reais;
  • Pequeno e não complicado. Leva pouco tempo para ser completado;
  • É executado com recursos locais;
  • Dirigido as pessoas. As pessoas beneficiadas participam.

As ações são rápidas, de baixo custo e servem como “grão de trigo” lançado no solo da comunidade, sinalizando a intenção da igreja em estar mais próxima da comunidade a partir de então. Sendo assim, o que se espera é que a igreja se torne mais sensível e se disponha a desenvolver projetos maiores e parcerias duradouras com as pessoas do lado de fora.

Em 2016 realizamos três capacitações e todas elas resultaram em projetos permanentes nas igrejas beneficiadas alcançando crianças e adolescentes, idosos e mulheres especificamente.

Através das ações Grão de Trigo, de um final de semana, nas áreas de saúde, coleta de lixo, lazer para crianças, café para idosos, informações sobre serviços públicos e limpeza de terrenos baldios, as igrejas vão se apresentando aos seus vizinhos e afirmando o propósito de permanecerem mais próximas, demonstrando o amor de Deus de maneira concreta, minorando o sofrimento e até mesmo resolvendo os conflitos.

A REMAR este ano de 2017 completa quatro anos de organização e segue na missão de Missão: “Ser uma Rede de integração e articulação das entidades evangélicas de Marabá que atuam na área social, facilitando diálogo, capacitação, mobilização, empoderamento e efetivação das políticas públicas”, servindo às igrejas e organizações para sinalizar a presença do Reino de Deus em meio à criação.

Autor: Pr. Olavo Dias da Silva Filho

Você pode conferir uma dessas ações na matéria: REMAR: mudando realidades em Marabá.

2 respostas a Projeto Grão de Trigo

  1. Ariane Pereira Rocha de Almeida disse:

    Olá boa tarde,
    Me chamo Ariane e gostaria de saber o contato da REMAR.

    Grata e no aguardo,

    Ariane Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *