Desacordo, conflito e unidade

Deixar um comentário

A preparação para o Referendo sobre se o Reino Unido deve ou não continuar sendo membro da UE revelou uma desagradável retórica em ambos os lados da campanha. O assassinato de Jo Cox, membra do Parlamento, revelou a profundidade da animosidade escondida debaixo da aparente calma dos britânicos, que é tão costumeira.

O processo de eleição presidencial nos Estados Unidos revelou divisões que se assemelham a alguns ‘reality shows’ da televisão.

Somos capazes de encontrar formas de discutir, debater e fazer as nossas ponderações na vida pública (na praça pública) através de uma persuasão fundamentada, livre de coerção, medo, força, intimidação e manipulação?

Somos capazes de tomar decisões fundamentadas no acesso à informação, na verdade e investigação imparcial?

“Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles, para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um: eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste”. (João 17.20-23)

A oração de Jesus é um chamado profético para refletirmos a harmonia que vemos na Trindade. Uma unidade que demonstra amor e shalom. Fomos criados para permanecer em um relacionamento harmonioso com Deus, uns com os outros e com a Criação.

Caindo na realidade
Temos mais de 40.000 denominações e muitas outras expressões de igreja, muitas vezes em competição, às vezes complementando-se, todas alegando que têm uma compreensão clara das Escrituras. Às vezes vemos a liderança tomando posições de poder, ao invés de servir; usando a manipulação para defender seus próprios interesses, ao invés dos interesses de Deus.

Conflito antes da Queda
É interessante notarmos que Deus ordena a Adão e Eva em Gênesis 1.28 para “subjugarem” a terra antes da Queda em Gênesis 3. Subjugar pode significar superar, assumir ordem e controle ou terminar uma rebelião. Por que dizer isso antes da Queda? Será que a rebelião de Satanás, dos Principados e das Potestades já estava tentando roubar, matar, dividir e destruir (João 10.10) e, portanto, Deus os alertava para vigiar?

Evitando conflitos
Eva começou desafiando a serpente, mas foi influenciada pela discussão. Por que Adão não discutiu com a serpente ou com Eva sobre a decisão de comer o fruto proibido? Afinal de contas, a ordenança de não comer o fruto lhe foi dada diretamente por Deus. Será que ele evitou o conflito e o diálogo? Não há dúvida de que quando Deus os procurou, eles jogaram o ‘jogo da culpa’: culpando ao outro.

Conflitos e divergências não são intrinsicamente errados. Realmente precisamos ter um diálogo aprofundado para que a verdade seja conhecida por todos.

Em Efésios 4.25-26, somos chamados para falar a verdade e não evitarmos os conflitos, pois isso dá a Satanás uma base de apoio, permitindo a amargura e o aparecimento de atitudes e ações desagradáveis e perniciosas.

Shalom significa enfrentar o conflito com franqueza, integridade e amor. Significa descobrir a verdade. Significa que precisamos lidar com os conflitos de forma conjunta, ao invés de permitir que Satanás ganhe uma base de apoio, lembrando que a nossa verdadeira batalha não é uns com os outros, mas com os Principados e as Potestades (Ef 6.10-17).
A forma na qual lidamos com os conflitos revela as Boas Novas de Jesus.

Para levarmos isto para a vida pública, precisamos estar seguros sobre a nossa identidade diante de Deus. Precisamos nos assegurar de que todos os aspectos da nossa identidade estejam enraizados em Jesus. A nossa autoestima, o nosso valor, o nosso senso de propósito e chamado, e o nosso senso de sermos amados devem partir d’Ele, para que quando estivermos falando a verdade, fazendo a luz brilhar em áreas onde há escuridão, sejamos capazes de permanecer firmes. Assim, o mundo saberá que estamos em Jesus.

Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos. (Ef 6.18).

Ore pela união dos crentes.

Agradecemos a Deus por todos os membros da Rede Miquéias e pela nossa união em torno da missão integral. Eu convido a todos a mantermos diálogos saudáveis, até mesmo onde existem desacordos, a resolvermos os nossos conflitos e a buscarmos união para que o mundo possa conhecer Jesus através das nossas vidas.

Rede Miquéias

**
Rede Miquéias (Micah Network) é uma comunidade global de cristãos (organizações de socorro/ONG, organizações missionárias, instituições acadêmicas/formação, congregações locais, redes, alianças, secretarias denominacionais e indivíduos) reunidos por causa de paixão e compromisso comuns com a Missão Integral. A Rede foi fundada em setembro de 1999 por René Padilla, colunista da revista Ultimato e autor de O que é missão integral? e Missão Integral: o Reino de Deus e a Igreja.

Fonte: Portal Ultimato

Leia também
Rede Miquéias será lançada no Brasil
E-book Pastorais para o Brasil – diálogo e reconciliação em tempos de crise

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *