Quando fazer o bem é (muito) difícil

Deixar um comentário

O trabalho social é apaixonante, mas não é fácil. Ao decidirmos ir além dos discursos, começamos a enfrentar problemas de difícil solução. Nem sempre temos recursos suficientes para ajudar. Por vezes, a própria pessoa ajudada decepciona. Além disso, não é improvável o obreiro ter que enfrentar riscos físicos ou pressões políticas.

Nesta semana, pelo menos dois casos de grande complexidade tiveram que ser enfrentados por organizações parceiras da RENAS.

Caso Ítalo e Júlio
Ítalo, de 10 anos, foi morto por policiais militares na quinta-feira (02), em São Paulo (SP), após ele e outro garoto, Júlio, 11 anos, terem roubado um carro em um bairro rico da cidade. O Governo de São Paulo disse que não houve excessos, mas as provas ainda são inconclusivas. A Visão Mundial é uma das organizações de direitos humanos que acompanha a situação. [saiba mais sobre o caso]. “Estamos acompanhando o caso. Visitamos a família de Ítalo: a mãe Cíntia, de 29 anos, e os seis filhos que moram em uma favela da cidade. Cíntia está sendo vitimizada, por já ter sido presa e porque pede justiça”, diz Welinton Pereira, assessor da instituição. O menino Júlio também é o centro da preocupação da Visão Mundial, já que negou o primeiro depoimento (feito sem a presença de advogados) que dizia que Júlio teria atirado três vezes antes de ser morto. Há suspeitas de que ele tenha sido forçado a dar a primeira versão que inocenta a Polícia Militar.

Morte na comunidade
Nury Acevedo, da Rede Mãos que Ajudam e JOCUM, em Recife (PE), relatou uma outra situação difícil pela qual ela e seus obreiros tiveram que passar:

“Nesta semana nos deparamos com uma situação difícil de entender e processar. Uma moça que acompanhamos há mais de três anos se envolveu em uma briga na comunidade e terminou matando outra moça que também cuidamos por um tempo. São muito sentimentos numa hora desta! Meu esposo acompanhou a que cometeu o crime até a delegacia. Estamos tristes”.

Petrúcia Andrade, da Rede Evangélica do Terceiro Setor de Minas Gerais (RETS) relatou que nestes vários anos que trabalha com ação social e cuidado de adolescentes, teve que lidar com casos bem difíceis. “Em Nova Contagem também enfrentei algumas mortes de adolescentes com quem estávamos trabalhando. Bate uma sensação de impotência, questionamentos mil… Mas o nosso trabalho não é vão no Senhor”, diz ela.

Como perseverar?
Welinton Pereira lembra o chamado de Jesus para seus primeiros discípulos. Ele cita o texto de Mateus 10.1-4, na versão A Mensagem: “Jesus chamou doze dos seus e os enviou a colher nos campos. Deu a eles capacidade de expulsar espíritos malignos e dar carinhosa atenção aos sofredores”. “Que sigamos dando carinhosa atenção aos sofredores”, conclui Welinton.

Para Nury, “o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (Sl 30.5). Ela continuou o relato:

“Ao nos depararmos com uma situação assim onde conhecemos o agressor e a vítima, posso imaginar o coração de Deus, que ama a todos igualmente. Nestas situações, ele nos dá a oportunidade de nos parecer mais com ele. Conseguimos um advogado que nos deu algumas instruções. Acreditamos que Deus aproveita estas situações para mostrar seu amor. Junto com uma equipe, fomos para as ruas de noite e todos falavam do que aconteceu. Aproveitamos e oramos declarando arrependimento, paz e quebrantamento de uma vida longe do amor de Deus”, conclui.

Foto: Marcus Leoni/Folhapress.
Legenda: Cíntia Francelino, em enterro do filho Italo, no sábado (04).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *