A infância desigual no Norte e Nordeste

Deixar um comentário

As regiões Norte e Nordeste apresentam os piores indicadores de saneamento básico, pobreza, moradia, violência, proteção, educação e saúde em relação ao público infantojuvenil. O relatório Cenário da Infância e Adolescência no Brasil, da Fundação Abrinq/Save the Children, que analisa os principais indicadores da infância e adolescência, alerta para os desafios que ainda existem para efetivação e garantia dos direitos de crianças e adolescentes no Brasil.

Apesar dos avanços que o país tem demonstrado, as diferenças regionais de distribuição de renda e nível de escolaridade contribuem fortemente para as desigualdades de oportunidades da população infantojuvenil. O Norte e Nordeste têm os piores resultados em oito dos nove indicadores analisados.

A Região Norte, que possui a maior proporção de crianças e adolescentes em sua população (40%), apresenta o pior percentual saneamento básico do país. São mais de 1 milhão de domicílios sem acesso a rede água e mais de 2 milhões sem acesso a rede de esgotamento sanitário. No Nordeste, mais de 50% da população também não tem acesso a esgotamento sanitário.

O indicador de violência mostrou que o Nordeste tem o maior percentual de homicídios. Foram mais 20 mil homicídios em 2012, dos quais 20,30% foram de pessoas entre 0 e 19 anos. A Região ocupa também o segundo lugar no quesito trabalho infantil, considerando pessoas entre 5 e 17 anos. São 1.057.357 crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil.

O Norte figura o primeiro lugar entre as regiões no quesito abandono e distorção série-idade, tanto no ensino fundamental como no médio. Os números mostram que 13,4% dos adolescentes abandonam a escola durante o ensino médio. Além de apresentar o maior percentual de gravidez na adolescência (184.689 nascidos de mulheres entre 10 a 19 anos), a Região também tem a maior taxa de mortalidade infantil, entre menores de 1 ano: 16,5% para 1.000 nascidos vivos.

Grafico_pobreza_infanciaNo indicador de pobreza (imagem à direita), a Região Nordeste ocupa o primeiro lugar com mais de 11 milhões de pessoas vivendo em situação de extrema pobreza. Na faixa etária de 0 a 14 anos, mais de 4 milhões de crianças e adolescentes nordestinas são extremamente pobres. A extrema pobreza se configura quando pessoas vivem com renda domiciliar per capita mensal inferior a um quarto do salário mínimo.

A publicação da Abrinq também apresenta dez proposições legislativas que incidem no bem estar do público infantojuvenil. A organização reforçou sua posição contrária à PEC 171 que trata da redução da maioridade penal. “A organização observa que os adolescentes são mais vítimas de violações que violadores de direitos”, explica o relatório.

Clique aqui e acesso o relatório completo.

— Notícia publicada no Portal Ultimato. Imagens: Relatório Cenário da Infância e Adolescência no Brasil.

Os parceiros da RENAS colocam a criança como prioridade de suas ações. Conheça-os:
— Organizações filiadas
– Redes filiadas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *