Gerir os bens, emancipar os pobres, trazer o Reino

Comente!

Muitos começaram o dia de sábado um pouco mais tarde, e às 8h30 alguns poucos receberam a boa recompensa pela pontualidade. Gehard Fuchs, da REPAS (Rede Evangélica Paranaense de Assistência Social), eleito na última quarta-feira membro da Coordenação Colegiada* de RENAS, resgatou três pontos da sexta-feira de uma nova perspectiva, como ele mesmo disse: a partir do seu locus: a economia.

Quanto é suficiente para você
O primeiro vem das palavras de Ricardo Barbosa, que meditou em Filipenses 4. Gehard repetiu a pergunta de Ricardo “Quanto é suficiente para você, agora falando de dinheiro?”. Segundo ele, definir o suficiente depende do nosso medo: suficiente para um dia, para um ano?

A pergunta inicial leva a outras duas: “O que você vai fazer quando tem menos?” e “E o que você vai fazer quando tem mais?” E a resposta vem da experiência de Paulo: quando tinha menos, ele fazia uma nova tenda para vender, mas quando ele tinha mais ele parava de fazer tendas? Deus deu dons que não devem ser deixados de lado quando você já tem o suficiente, se você não precisa, tem alguém que precisa e você tem que compartilhar. Fazer o que tem que ser feito nessas situações, tem a ver com contentamento.

Emancipar o pobre para participar do seu processo de libertação
O segundo ponto resgatou uma palavra de Ariovaldo Ramos sobre a emancipação do o pobre, a fim de que ele participe do seu processo de libertação.

Gehard contou a história de uma igreja que levou para um bairro pobre de Curitiba uma versão classe média de igreja. Esse modelo tirava do pobre o sentimento de pertencimento, pois quanto o pobre poderia pagar de aluguel por um templo? Nada. Então como fazer para ele sentir que a igreja é dele? Simples, se ele não pode pagar nada, tem-se que ir para a praça, talvez a escola ou o centro comunitário, diz ele.

A leitura econômica da situação também nos faz perguntar como ele vai sentir que o pastor é o seu pastor? Ele não pode pagar, então outras igrejas se juntavam e pagavam para o pastor pregar no domingo. Mas eles sentiam que era deles? Obviamente que não, responde Gehard.

A nova pergunta é como fazer sem templo e sem pastor? A verdade é que eu não preciso de dinheiro para orar ou ter comunhão. Eu posso ter esse espaço, sentir que ele me pertence e uma leitura na perspectiva econômica nos ajuda a entender esse desafio da missão da igreja.

Venha o teu reino
O terceiro resgate traz uma reflexão sobre reino. Se tem reino, tem rei e rei é um cara que tem um território e um povo. Se Jesus e o rei, onde é que ele manda?

O reino de Deus está muito próximo de nós. Se eu deixo Deus mandar na minha vida, ali é o reino de Deus, se não deixo, é outro que está mandando. “Entra na minha casa, entra na minha vida” tem muito a ver com deixar o reino de Deus entrar.

Segundo Gehard, a fé não é um salto no escuro. Paulo disse que Deus providenciou para que todos cheguem ao processo da verdade, mas como então fazer Deus ser ouvido no nosso processo decisório? Ele entende que três formas de ouvir:

 1. Individualmente: Deus fala ao seu coração e a paz é a sua resposta;
2. Coletivamente: “na multidão de conselhos há sabedoria”, logo em uma decisão coletiva, a qualidade tende a aumentar.
3. Unção: Gehard conta que certa vez Deus falou para buscarem a unção. Apenas reunir para orar e cantar. E em uma dessas reuniões uma pessoa começou a pregar e disse “irmão, Deus tem uma palavra para você”. E esse pregador disse para várias pessoas, coisas sobre suas vidas, sem as conhecer. Na visão de Gehard, ele nunca tinha visto o dom do conhecimento e da sabedoria posto em prática tão bem.

Gestão por conhecimento: ouvir nosso coração, ouvir os conselhos da igreja e ouvir a sabedoria daqueles que têm o dom. Assim proporcionamos que o Reino de Deus esteja em nossa casa, nossa igreja, nossa organização, concluiu ele.

* A Coordenação Colegiada é formada por três representantes das organizações que formam o grupo gestor de RENAS. A eleição ocorreu na reunião de filiadas de RENAS

Texto: Tábata Mori (RENAS Goiás)
Foto: James Gilbert

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *