Oração por quem ama crianças em situação de risco

Comente!

Pai, tenho conhecido muitos homens e mulheres que dedicam suas vidas, seus dons e ministérios entre as crianças empobrecidas e oprimidas. Vivem em meio ao sofrimento e dores dos aflitos.

Pai, eles têm desfrutado da vida eterna, pois conhecem a ti e a Jesus Cristo, a quem enviaste. Peço-te que a vida deles seja preservada, diante dos riscos da violência e doenças. Por amor do teu nome, seja honrado o trabalho que confiaste a eles.

Essas mulheres e esses homens têm testemunhado do teu precioso nome entre as crianças sofridas do Brasil. Tu confiaste a esses agentes do Reino o cuidar dos pobres. Eles reconhecem que todas as coisas provêm de ti: desde o envio do teu Filho até a mais simples doação. Eles sabem: tudo vem de tuas mãos.

Pai, eu rogo aflito, incomodado — estou num quarto tranqüilo, enquanto eles, Pai, estão no mundo, são alvos do perigo.

Por isso, eu rogo mais intensamente:
Pai Santo, livra-os do mal, guarda-os em teu nome!
Que as Escrituras se cumpram na vida deles e, assim, sejam bem retribuídos por ti no dia da adversidade.

Orar é estar junto de ti. Então, te peço, ó Pai: da mesma forma como me sinto acolhido nesta oração, estejam conosco todos os homens e mulheres que estão acolhendo os teus pequeninos.

Protege-os lá nos cortiços, nas ruas e praças das grandes cidades, nas favelas, nas palafitas, nos sertões, nas regiões ribeirinhas.

Muitos são odiados pelos poderosos do mundo — teu Filho também o foi. Mantém-os firmes e inabaláveis na tua Palavra. Preserva-os em santidade pelo poder misterioso da Palavra.

Esses agentes têm sido enviados no modelo de teu filho Jesus Cristo: dormem em manjedouras, moram nas desprezíveis “Nazarés”, correm risco de vida, estão dispostos ao martírio — à morte de cruz.

Pai, alguns desses já estão contigo; outros, em fim de carreira; ainda outros estão começando. Portanto, Pai, não peço somente pelos que já trabalham. Peço até mesmo por aqueles que ainda vão receber a ti. Sim! Receber a ti, acolhendo uma criança.

Pai Santo, que o amor e a dedicação desses agentes do teu Reino revelem aos outros que Jesus Cristo foi enviado por ti e, assim, creiam que Jesus Cristo é o Salvador e Senhor sobre todas as coisas.

Ilustra mediante o amor pelas crianças doado por essas preciosas vidas como funciona o teu amor por todas as pessoas.

Pai misericordioso, diante da minha limitação, rendo-me ao pedido de Jesus Cristo:

“a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo.
Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles esteja” ( Jo 17.24, 26).

Pai gracioso, manifesta a tua glória revelando esse amor, que te é próprio, desde antes da fundação do mundo.

Faze transbordar de amor essas pessoas tão diligentes, a fim de que o amor com que amaste a Jesus Cristo mantenha a nossa unidade contigo e com as crianças.
Ajuda-nos a nutrir uma maturidade capaz de fazer a tua vontade e a viver, como crianças deslumbradas, pela chegada do teu Reino.

São José de Mipibu, RN, madrugada de 28 de janeiro de 2004.

Carlos Queiroz, casado, dois filhos, é pastor da Igreja de Cristo e leciona missiologia no Seminário Teológico de Fortaleza.

* Artigo cedido pela Revista Mãos Dadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *